Love Live! School Idol Project – KAWAII!!

Love Live!

Procurei não entrar demais de cabeça nessa temporada de animes porque resolvi fazer o AKB49 junto com o SniperK, então tem alguns animes que eu geralmente assistiria que estou deixando de lado. Coisas como Minami Ike, Hanagai NEXT, Da Capo, entre outros, mas Love Live! eu não podia deixar passar. Simplesmente porque tenho acompanhado esse “grupo” por mais tempo que consigo me lembrar, desde que lançaram o segundo single, “Snow Halation”, eu sou fã dessas meninas, talvez porque não tinha muito material traduzido circulando na web, com a exceção dos vídeos em si, então a curiosidade só aumentou. Putz. Sai na tangente logo no começo do post, e isso não é bom. XD Voltando aos trilhos. “Love Live! School Idol Project” é um anime de escolar típico, com meninas atípicas. Essa a melhor descrição que posso passar pra ele. Pra quem era fã de Love Live antes de ele virar “μ’s” (lê-se “Miuzu”, ou Musa em grego, e isso é outro tópico que vou parar por aqui, antes de eu sair na tangente de novo), o anime pode trazer algumas estranhezas como a relação da Nozomi com a Eri, que era papel da Umi no primeiro vídeo “Bokura no Live Kimi to no Life”, a arrogância da Nico ou o fato da Maki ser MAIS NOVA que que Nico. São coisas que me deixaram em parafuso e, sinceramente, ainda não achei (leia-se não procurei nos meus arquivos), nada que significa-se que não era assim desde o começo. Como eu não entendo lhufas de japonês, eu me guiava mais pelo visual, e muitos meus pré-conceitos acabaram sendo meio que desmentidos nesse anime. Ainda não sei se as coisas serão tratadas realmente como o anime está tratando, as interrelações das meninas principalmente, mas que está sendo uma delícia assistir até agora o anime, com certeza.

A premissa é bem simplista, e a solução pra ela, errônea na melhor das hipóteses, mas como o anime ainda está apenas no terceiro episódio, pode ser que eles falem mais sobre isso. A escola das meninas está para ser fechado e a Honoka, inventou de usar a popularidade crescente das “Ídolos Escolares” (é eu sei, fica horrível em português), para aumentar a popularidade da escola e consequentemente conseguir que mais alunos entrem para essa escola. Premissa simples, como disse, e deixa um furo tremendo no enredo, que eu espero que eles falem sobre isso nos próximos episódios, já que o grupo das três inicias, irá se graduar em dois anos (E se contarmos as outras que com certeza farão parte do grupo, pelo menos mais três irão se formar no final deste ano letivo), então o que acontece depois? Duvido que elas tenham pensado nisso, mas fazer o quê? É o que dá querer pensar demais num anime que existe única e exclusivamente para falar de meninas “kawaii” fazendo coisas “kawaii”. Não que isso me desagrade, longe disso, espero poder escrever sobre ele no futuro também, mas é que o enredo acaba me deixando meio atônito as vezes.

A parte vocal é um pouco falha as vezes, mas isso era de se esperar com a maioria das seiyuu sendo novatas em dublagem para anime. Posso citar alguns exemplos, como o final do primeiro episódio com as meninas falando “O que faremos agora?” uma atrás da outra. Gritante é apelido praquela cena. Acho que nem eu dublaria tão mal ela, mas tudo bem, porque levou diretamente à uma das melhores partes que foi a música e dança no encerramento daquele episódio. Falando em música, é fácil de perceber que a produção da Lantis nesse anime não mediu esforços e deram liberdade total ao diretor de música, porque os arranjos (salvo um ou outro caso) são todos originais, e em geral muito bons, sem falar das músicas em si, que, sinceramente, até agora não achei nenhuma que me tirasse o tesão para assistir de novo (e de novo, e de novo).

Elas não tem Nariz??!!

A animação está a altura do que era de se esperar do estúdio Sunrise, fluida, com poucas “cabeças falantes”. O Rotoscope durante as músicas e danças é meio gritante, mas posso dizer que é o melhor que eu já vi até hoje (sim, estou olhando pra você AKB0048), com as transições entre animação tradicional e efeitos em 3D tomando conta, é pegar ou largar com esse anime. É gritante, sim, mas se você consegue deixar isso passar, é ótimo de assitir. Nem todo mundo faz como o A1 Pictures fez com The iDOLM@STER com danças animadas completamente a mão.

Recomendar esse anime é meio complicado porque ele trata de um niché bastante restrito de pessoas. Ele não faz esforço nenhum pra trazer outras pessoas que já não eram fãs do grupo. Mas isso até que é bastante simples de resolver. Assiste o primeiro episódio. Se interessou, você vai gostar. Se não interessou, deixa quieto que essa não é sua praia.

Anúncios

~ por peperhoni em 23/01/2013.

 
%d blogueiros gostam disto: